A implantação de um curso superior de TECNOLOGIA EM TOXICOLOGIA AMBIENTAL está em consonância com a vocação da FURG, ou seja, o Ecossistema Costeiro, que orienta as atividades de ensino, pesquisa e extensão no seu âmbito.


A maioria dos poluentes oriundos de atividades antropogênicas acaba sendo transportada direta ou indiretamente para as zonas costeiras, levando à descarga de uma grande variedade de produtos existentes nos efluentes industriais, domésticos, pluviais, urbanos e rurais nos solos, corpos de água e na atmosfera. As regiões estuarinas e costeiras se tornam zonas de contaminação ambiental críticas, acarretando consequências tanto econômicas (redução da produção pesqueira) quanto ecológicas (diminuição da densidade e diversidade biológica). Além disso, muitos poluentes são transferidos e acumulados ao longo das cadeias alimentares, ameaçando assim a saúde dos seus consumidores.


As consequências em nível de ecossistema, normalmente só se fazem sentir em longo prazo, e quando os efeitos se tornam visíveis geralmente nenhum tipo de remediação é viável. Por estas razões, tornou-se necessário o desenvolvimento de métodos de identificação, estimação e manejo dos riscos impostos pela descarga indiscriminada de compostos químicos no ecossistema costeiro.


Este cenário não é particular da zona costeira do Sul do Rio Grande do Sul, mas sim uma realidade em nível nacional. A zona costeira brasileira tem características únicas por ali convergirem os fluxos de matéria e energia dos sistemas terrestre, atmosférico, oceânico e das ações humanas. Sua progressiva ocupação, particularmente acelerada ao longo das últimas décadas, tem gerado conflitos entre imperativos de preservação e de desenvolvimento. O aumento das populações humanas que moram, trabalham e usufruem dos recursos da zona costeira provoca pressões que, junto a outras de caráter natural, merecem ser monitoradas e compreendidas para a preservação do ambiente e para a própria manutenção da qualidade de vida. A conservação destes recursos tende a ser cada vez mais problemática e custosa, tanto do ponto de vista político quanto ambiental (Projeto RECOS - www.mileniodomar.org.br).


O desenvolvimento adequado dessa extensa região, baseado em premissas de sustentabilidade e de integração sócio-econômica, constitui, portanto, um desafio a ser enfrentado. Entretanto, torna-se difícil a resolução destes conflitos se não estiver apoiado nas melhores e mais confiáveis informações técnicas e científicas sobre o potencial toxicológico e impacto causado pela liberação no ambiente de substâncias, partículas e energia utilizadas pelos habitantes das zonas costeiras.


Neste contexto, a formação de recursos humanos capacitados em nível tecnológico para lidar com esta problemática é condição indiscutível para o sucesso das políticas locais, regionais e nacionais de uso e conservação dos recursos naturais nas zonas costeiras. Portanto, acreditamos que a implantação de um curso superior de TECNOLOGIA EM TOXICOLOGIA AMBIENTAL no âmbito da FURG, além de contribuir para as políticas mencionadas acima, coloca a FURG em destaque no cenário nacional como pioneira na formação de recursos humanos nesta área.